Qual a melhor forma de arranjares as tuas sobrancelhas?

Qual a melhor forma de arranjares as tuas sobrancelhas?

Desde há uns anos para cá que as sobrancelhas têm estado cada vez mais na moda, e se antes se usavam fininhas, hoje em dia querem-se fartas. Mas qual é a melhor maneira de as arranjar? Eu não sou expert nenhuma nestes assuntos e por isso fui falar com a minha esteticista, a Sara, que é formada em Saúde Estética e que cuida das minhas sobrancelhas há já uns seis anos. Ora vejam só o que ela tem a dizer sobre o assunto!

Antes de mais, fala-nos um pouco sobre ti.

Sou a Sara Aguiar, tenho 31 anos e sou esteticista cosmetologista. Tirei a formação base na Escola Europeia de Estética em Lisboa, mas como o meu primeiro emprego foi numa clínica médica, senti a necessidade de me especializar na área do pré e pós operatório e por isso fui tirar uma especialização em drenagem linfática manual. Mais tarde fui fazer uma pós graduação de Saúde Estética na Universidade Lusófona em Lisboa. Foram dois anos onde os professores eram médicos especialistas nas várias vertentes (dermatologia, nutrição) e depois tive toda a parte de física, química, aparatologia, porque há muita gente que se esquece que a área da estética é mexer com a saúde e com o maior orgão do corpo, a pele. Sou muito crítica, muito perfecionista e defendo as minhas clientes com unhas e dentes.

Que tipo de trabalho fazes no teu dia-a-dia?

Agora faço todo o tipo de tratamentos de rosto e corpo, ou seja, de pré e pós cirurgias como a lipoaspiração e de preparação da pele. Há imensos médicos a prescreverem a drenagem para pessoas que façam hemodiálise, para pessoas com síndrome de pernas cansadas, e para quem tem má circulação. Trabalho ainda para tratar o envelhecimento cutâneo e o acne (o acne crónico, atenção, só com acompanhamento de dermatologistas, porque eu só funciono em parceria e acompanhamento médico). Por fim, faço as epilações, tratamentos de emagrecimento, e aconselhamento nutricional. Mas atenção que a minha área é o tratamento. 

Qual é a diferença entre epilação e depilação?

Epilação é o ato de arrancar o pelo pela raíz, ou seja, vem tudo: haste, raíz e folículo piloso. Depilação é cortar o pelo pela haste, ou seja é um ato feito por exemplo com a gilete. Infelizmente há muitas profissionais na área que como não sabem funcionar com a cera e acabam por praticar a depilação.

Que técnicas existem hoje em dia para fazer a sobrancelhas?

Existem três técnicas: fio, cera e pinça.

Quais são as diferenças entre estas três técncias?

O fio é uma técnica que utiliza precisamente um fio para delinear as sobrancelhas. Da minha experiência e daquilo que vejo em clientes que vão experimentando, posso dizer que 50% dos pelos ficam partidos e os outros 50% são de facto arrancados. Consequência disto é que se notam muitos pontinhos pretos quando os pelos começam a crescer. Outra desvantagem desta técnica é que tens um modelo de sobrancelha igual à grande maioria das pessoas que faz com a linha, porque não há um estudo pormenorizado do rosto da pessoa. Ou seja, tu tens três modelos de sobrancelhas, por exemplo, e escolhes o modelo de sobrancelha que queres. Nota-se perfeitamente quem faz com a linha porque se nota logo o corte com a tesoura do comprimento dos pelos e depois porque o formato é igual ao de muitas outras, em que a sobrancelha tem um levantamento acentuado com um bico mais ou menos a meio. 

A cera faz a epilação, ou seja, arranca mesmo o pelo pela raíz, mas parte as fibras elásticas da pele. Isso contribui para a flacidez acentuada, com o passar dos anos, da zona orbicular dos olhos (a zona das pálpebras e entre os olhos), porque são zonas onde a pele é muito mais sensível, por isso com o puxão da cera é meio caminho andado para haver uma quebra das fibras elásticas. Além disso com a cera é muito mais difícil definir a linha que queres para a sobrancelha.

A pinça é o método mais seguro e mais higiénico desde que a profissional cumpra as normas de higiene e segurança e tenha o cuidado de fazer a esterilização dos materiais, uma vez que as pinças não são material descartável. Esta esterilização faz-se ao passar com alcoól ou lavar com lixívia e depois aplicar num aparelho próprio de esterilização. Outro ponto a favor desta técnica é que podes adequar o formato da sobrancelha ao teu tipo de rosto. Como existem rostos triangulares, rostos heaxagonais, rostos redondos, e cada tipo de rosto requer um formato de sobrancelha diferente, é fundamental tirar medidas para adequar o formato da sobrancelha ao tipo de rosto da pessoa.

Isto são os três métodos mais conhecidos para fazer as sobrancelhas, do qual basicamente se resume: linha –  50% pelos cortados e 50% pelos arrancados; cera – completamente fora de hipótese para quem não quer ficar com pálpebras descaídas; e pinça – método mais adequado, mais seguro, mais higiénico e mais duradouro.

Para ti, que tipos de esteticistas existem?

Para mim existem dois tipos: a esteticista dedicada ao bem estar e relaxamento (faz massagens, por exemplo) e a esteticista dedicada à área do tratamento. Eu sou da área do tratamento e sou do tempo em que a esteticista não arranjava mãos e pés. Nós faziamos embelezamentos, ou seja, limar e pintar, porque quem arranjava as mãos e os pés era a manicure pedicure. Esteticista que é esteticista não utiliza objetos cortantes.

O que tens a dizer sobre a situação atual da profissão de esteticista?

Infelizmente a área está super banalizada por mão de obra barata. O curso existe mas já é regido pelas novas leis: desde Agosto de 2010 deixou de ser obrigatório ter carteira profissional, ou seja, não existe uma carga horária específica para se conseguir o curso de esteticista, já não é obrigatório ter o 12º ano e por isso basta ter o 9º ano ou basta que estejas desempregada e o Instituto de Formação e Emprego Profissional dá-te um curso de estética. Chegámos ao ridículo do ridículo. É uma profissão como seres empregada doméstica ou de limpeza, não querendo menosprezar as profissões, mas que não requer qualquer tipo de formação, o que eu acho indecente porque na minha altura eu era obrigada a ter o 12º, tinha cadeiras de anatomia, fisiologia, química, física, francês, nutrição, até mesmo no curso base. Tudo isto foi (e é) fundamental. Eu fui avaliada de forma prática e teórica, perante um painel de júris qualificados. Hoje em dia dão-te um teste básico e passam-te na mesma porque o que interessa é que haja gente a trabalhar.

Outro problema é que hoje em dia o que interessa às entidades patronais é ganhar muito, e não interessa se tem qualidade ou não. Só que se esquecem que a cliente é que lhe põe o pão na mesa e entrar uma cliente pela primeira vez num espaço é fácil, difícil é mantê-la. E isso eu levo comigo para a vida.

Epilações de corpo inteiro marcadas de meia em meia hora isso não existe na minha agenda. Para já cada cliente é uma cliente e a cliente não é um produto ou um objeto. Tem de ser tratada com dedicação. Para já a cliente está a expor o corpo à esteticista e depois acaba por se criar um elo de confiança já que também nos tornamos algo confidentes da cliente. E depois há-que tratar o corpo da cliente como se fosse a nossa obra de arte, para que fique bem feito e que dure. A técnica e os materiais que a profissional utiliza são muito importantes, porque não me venham dizer que uma cera barata faz o mesmo que uma cera cara. Não, não faz. 

Hoje o que as entidades patronais fazem é propor o ordenado mínimo e quem quer, aceita, quem não quer há quem queira. Não lhes interessa a qualificação que tu tens. Portanto ou és boa naquilo que tu fazes, já tens uma carteira de clientes fixa e depois funcionas muito pelo passa palavra (e é assim que te vais distinguindo e sobrevivendo no mercado de trabalho da estética), ou então sujeitas-te a ganhar o ordenado mínimo e és mais uma igual a tantas outras. Porque na área da estética para se ser boa pofissional e para se distinguir neste mercado tens de estar em constante evolução profissional, tens de investir constantemente na área da formação, tens de gastar muito dinheiro. Porque para estares a par das novidades em estética gasta-se muito dinheiro, e tem de haver a parte do investimento pessoal.

As pessoas vão para a área da estética porque em tempos era uma profissão em que se ganhava dinheiro. Mas hoje em dia não é preciso estudar para se ser esteticista. Isso gerou uma onda de sítios a levar preços low cost mas as pessoas têm de se perguntar “são low cost porquê?”. Porque reaproveitam materiais, porque estão a por em perigo a saúde pública, porque através da pele nós podemos apanhar doenças… Algum dia alguém vai ter de impor regras. Por outro lado também vai ter de haver um aumento de consciência por parte do consumidor quando entra nestes espaços.

Existe alguma entidade reguladora destes estabelecimentos? Tipo ASAE?

Não, infelizmente não, porque se houvesse havia muita casa por aí a fechar portas.

Há alguma associação de esteticistas em portugal?

Sim, existe a Associação Nacional de Esteticismo Profissional. Na altura da feira de estética a Associação de Esteticistas organiza conferências (além de outras atividades ao longo do ano) e a Universidade Lusófona de dois em dois anos organiza um congresso de dermatologia no qual pode frequentar quem teve a pós graduação em Saúde Estética. Infelizmente posso dizer que em Portugal somos apenas 14. Apenas abriu uma turma desta pós graduação e devido à falta de inscrições e à falta de profissionais da área a quererem fazer o tal investimento pessoal, deixou de haver a continuação do curso. Portanto em Portugal existem apenas 14 pessoas formadas em Saúde Estética.

Como testas os produtos que utilizas?

Testo sempre os materiais em mim, na minha mãe e em clientes que tenho já desde o início da carreira, portanto há 11 anos, e que fazem questão de serem minhas cobaias. Porque é assim, tu conhecendo bem o corpo, o comportamento do pelo e da pele de determinada cliente torna-se muito mais fácil perceberes que determinado produto é bom ou mau. Tudo aquilo que tenho e que sou hoje devo-o às minhas clientes amigas.

A Sara trabalha atualmente no cabeleireiro Hair Solution Martins & Miguel Garcia, em Lisboa.

P



Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *